.................................................................................não tirem o vento às gaivotas

27/05/2012

arlequim dourado




pablo picasso




uma dor enorme a pagar para quem procura o conforto na verdade dos factos – felicidade – procurar a satisfação terrena é dor. luta. agonia. vómito. insónia. medo. mau estar generalizado pelo corpo. ressaca. aperto. e os dias sempre a seguir atrás uns dos outros e a dor nunca é habituação. e não sara a mente. nem as mãos que querem escrever sossego –  este sossego nunca será escrito em palavras. não tenho arte suficiente para o fazer – e tudo dói. e como dói. e aonde dói. e dói em tanto de mim que já sou só este desassossego de doer – dói. dói como quando usámos sapatos novos. e na face o sorriso. e o andar torto. e o lábio a contrair. e dentro da cabeça uma vontade enorme de arrancar o corpo de dentro daquele aperto. que ao princípio era aflição e agora é desespero – e quem olha somente vê o brilho do sapato. firme nas formas. novo. e o cheiro a couro entranhado nos pés. os atacadores enlaçados com arte. esticados para este e oeste. e o corpo no norte a olhar o sul e tudo feito como se de um embrulho de oferta se tratasse – presente envenenado. não há vida sem liberdade. não há vida para os oprimidos. não há vida na dor. não há vida nos corpos castrados do livre arbítrio – quero morrer em paz – mas tudo por dentro é como é. como sempre foi. e se um dia rio outro choro. se um dia faço nascer a esperança. outro logo a enforco com a laçada de uma corda que não pára de pensar – e nunca tenho razão. e toda a razão necessita de um homem bobo. e clarice a dizer: “o bobo, por não se ocupar com ambições, tem tempo para ver, ouvir e tocar o mundo. O bobo é capaz de ficar sentado quase sem se mexer por duas horas. Se perguntado por que não faz alguma coisa, responde: "Estou fazendo. Estou pensando." Ser bobo às vezes oferece um mundo de saída porque os espertos só se lembram de sair por meio da esperteza, e o bobo tem originalidade, espontaneamente lhe vem a idéia.”. e os pés inchados. as unhas encravadas. as bolhas nos calcanhares e cada passo maior que um quilómetro e a dor a crescer até à boca. torta e depois os olhos. semifechados. e a face a enrodilhar em sofrimento e o desânimo ali e aqui e tudo o que era perto é agora impossível de alcançar – tempo – necessitamos de tempo para cambar os sapatos. e a vida sempre a doer – demora uma vida. e toda a vida é sacrifício. e o meu sapato não camba. e o corpo de hoje igual ao de ontem – o sujeito sou eu – neste corpo. o sujeito não necessita do complemento directo – o verbo é determinante. forte o suficiente para que só as mãos saibam falar. como se em cada dedo houvesse um boca com alma e tudo o resto amarrado a um corpo dentro de um sapato



15/05/2012

regresso




antero de quental. em banco, no jardim. na praça das amoreiras
 lisboa




hoje o antero de quental (*) vai de asas abertas - as palavras voarão com destino a lisboa. depois outro destino. e outro. e outro. que mais pode querer um poeta se não que o seu nome seja um nome do mundo - eu só quero chegar a casa. não sou poeta. sou pai e filho e o meu mundo é este. e acreditem que é enorme



*antero de quental - nome com que foi baptizado o a319 da tap




11/05/2012

esta gente sempre tão igual




adolf eberle




esta gente tão fria. tão sem nada e eu perdido neste modo de vida que não é o meu - gostava de saber se somos mesmo melhores e por via disso somos assim: quentes. cheios de gestos onde as palavras nascem debaixo dos dedos. debaixo dos olhos. dos lábios. no toque. no vento que fazemos a imaginar a forma de fazer feliz quem nos ouve. gostava de saber - dói estar sozinho nesta dúvida maldita - e eles a dizer que nós somos sol. e eu a ver para lá deste mar que faz de nós marinheiros em terra sem porto de mar - hoje jurei que vi uma gaivota. uma cinzenta. amiga. não queria acreditar - percebi. voava sobre um grupo de brasileiros



09/05/2012

natureza humana




max scheler - filósofo alemão






não há fado palavra ou calor que traga nestes homens grandes e loiros o vento sul a sorrir das bocas plantadas na minha praia lusitana- somos assim. somos abraço. somos gesto. somos carinho. somos défice. somos dor. somos quase sempre assim assim. mas também somos fado cantado por um luís que sem um olho via para além de taprobana - somos gente pequena de um país pequeno. mas andamos de forma tão generosa. em bicos de pés como bailarinas. dançamos e encantamos os dias com o rodar dos corpos a dizer: somos nação valente e imortal - vamos recuperar o orgulho - hoje sinto-me imensamente português





04/05/2012

as pedras não têm dor




desenho - paul cadden *



e eu aqui penso. aqui onde o certo e o incerto nascem. onde a dúvida e a certeza gozam dos mesmos privilégios e deveres: o corpo insatisfeito – os antigos acreditavam que tudo vinha do coração. eu. sempre racional a esta hora da noite. sei que o vómito vem do cérebro – por isso esta dor de cabeça que me come o corpo por inteiro – não compreendo porque não sou capaz de ignorar esta dor que não deveria ser dor. ser hábito – talvez defeito de ser humano – mas nem todos os seres humanos são humanos – os humanos que conheço têm uma veia que vai do coração à cabeça. a dor. mergulhada em sangue. desagua no cérebro em forma de delta. ramificações distorcidas pela força da corrente – nos seus extremos os detritos lutam por um lugar seguro na razão – empírico – o coração com o passar do tempo já não filtra todas as impurezas. cansado? não. defeito. sempre foi assim – o coração dói. não há médico que o cure. nem viagem que o distraia. dói porque dói. dói porque bate. dói porque é dentro daquele músculo que vivo. vivo em dor e em dor idílica escrevo – romântico? estou certo que sim. é no coração que deito os olhos – interrogo-me se conheço a raça humana. a reposta é que conheço alguns humanos. gosto deles porque a dor lhes dói onde me dói a minha dor – belo – por último coloco a interrogação em mim e pergunto-me: conheces-te? não. não conheço. porque não conheço todos os humanos. principalmente os humanos-pedra – se me conhecesse. se me conhecesse mesmo bem. seria outro humano. diferente deste que se magoa com dores que não são de magoar. dor-pedra – as pedras não têm dor


* os desenhos hiper-realistas do escocês paul cadden puseram-no no centro das atenções no mundo da arte – aqui fica o alerta para quem gosta de arte para uma viagem obrigatória ao ateliê deste artista – impressionante



clarice lispector - a hora da estrela








"Tudo no mundo começou com um sim. Uma molécula disse sim a outra molécula e nasceu a vida. Mas antes da pré-história havia a pré-história da pré-história e havia o nunca e havia o sim. Sempre houve. Não sei o quê, mas sei que o universo jamais começou. Que ninguém se engane, só consigo a simplicidade através do meu trabalho. Enquanto eu tiver perguntas e não houver resposta continuarei a escrever. Como começar pelo início, se as coisas acontecem antes de acontecer? Se antes da pré-pré-história já havia monstros apocalípticos? Se esta história não existe, passará a existir. Pensar é um ato. Sentir é um fato. Os dois juntos - sou eu que escrevo o que estou escrevendo. Deus é o mundo. A verdade é sempre um contato interior e inexplicável."




clarice lispector - a hora da estrela



02/05/2012

necrologia





caravaggio




necrologia – na penúltima página do meu jornal regional. diário do minho. os defuntos anunciam a sua morte sempre pela mão dos seus familiares – a mulher. filhos. noras e demais família têm o doloroso dever de anunciar que este homem da foto. o saudoso. morreu. faleceu. finou-se. foi-se. passou-se ao caralho. deu á soleta dos problemas – é nesta última que me revejo. dar á soleta. pôr-me ao fresco – espero um dia falecer com tudo o que me aborrece desta vida terrena – poderei então dizer: apesar da câmara ardente finalmente uma notícia boa – o equivoco é não poder vivê-la



01/05/2012

que vai ser dos filhos do nosso mundo




                                                                 pieter bruegel



1º de maio. dia do trabalhador. das palavras também. e das ideias. e das dores. e da morte. e do riso. e do fogo. e do sol. e da água. e da terra. e do vento que engole gaivotas pelo grito da garganta dos homens sem casa. sem trabalho. sem campo. sem mar. sem fábrica. sem pão. sem saúde. sem amigo. sem abraço. sem fraternidade e sem tempo para chorar - e eu aqui. escrevendo como se a minha arte fosse palavra. não é. não é. não é – é raiva de não saber falar a deus e dizer-lhe que em criança acreditava na sua justiça – hoje. homem. não acredito em nada. nem abril. nem outubro. nem cravo. nem em coisa nenhuma. morto de fé - descrente. quero que este dia passe rápido. pelo respeito ao meio milhão de desempregados do meu país – que vai ser dos filhos do nosso mundo?