.................................................................................não tirem o vento às gaivotas

29/08/2010

eu










porque achas que eu não sou eu. apenas porque choro? não. não são lágrimas. são desesperos feitos de pedaços de amor que se derretem sempre que olho para mim no túnel do tempo – a água vem dos teus olhos. quando em silêncio me dizes que afinal serei sempre eu – apenas nunca terei asas

-um dia talvez escreva-



2 comentários:

  1. As asas que lhe faltam, estão nas suas palavras!

    ResponderEliminar
  2. obrigado - visto-me de palavras como as suas para saber escrever.

    Abraço

    ResponderEliminar