.................................................................................não tirem o vento às gaivotas

16/02/2012

cristata






                                      jean-michel basquiat, cavalgando com a morte






não sei. esta coisa de escrever a vida. muitas vezes não dá certo - não sei. não sei mesmo. encontro sempre dúvidas nas palavras e são sempre tão imprecisas. incertas. inconstantes e a morte está sempre tão presente que os verbos nunca multiplicam o futuro. e o tempo esperança é sempre tão frio. como inverno. gelo. cadáver - se fosse um sorvete era verão. calor. família. doçura. mel. amigos – aonde estou se aqui não me encontro. para onde vou se nunca daqui saí - um dia serei cheiro. defunto. choro em faces comprimidas – diluído nas lágrimas a parte que tinha de bom. na oração a solução para todos os erros e por fim. uma mão cheia de água benta para dizer adeus – depois. virão as memórias misturadas com silêncio para os que ficam – o tempo será então saudade




 
cristata – nome cientifico da cotovia-de-poupa




Sem comentários:

Enviar um comentário